[Divulgação] Os 15 Trabalhos da Arqueiro



Oie galera, todos bem?

Já viram a novidade que está rolando na fanpage da nossa querida Editora Arqueiro?

Corre que ainda dá tempo! Boa sorte para nós, hehe.


Leia Mais ► ► ►

[Saindo do Forno] Editoras Gente e Única (@UnicaEditora)



Oie galerinha, todos bem?

Vamos conhecer os lançamentos das Editoras Gente e Única?

Leia Mais ► ► ►

Recadinho


Oie galerinha, todos bem?

Tenho alguns recadinhos para vocês...
Leia Mais ► ► ►

Pra começar a semana bem...



Leia Mais ► ► ►

[Atualização] Alphabet Soup Reading Challenge



Oie galerinha!

Querem saber como anda o meu "Alphabet Soup Reading Challeng"?
Leia Mais ► ► ►

Resenha #52 "Voto de Silêncio" @NovoSeculo

Alguns segredos são terríveis demais para serem revelados. Alguns crimes têm segredos demais para serem resolvidos. Em Painters Mill, Ohio, os residentes amish e os “ingleses” convivem há dois séculos. Há dezesseis anos, porém, uma série de crimes brutais chocou a pacata comunidade rural. Uma jovem amish chamada Kate Burkholder sobreviveu ao terror do Assassino do Matadouro, mas acabou deixando sua comunidade. Após se aventurar no mundo exterior, Kate foi chamada para retornar a Painters Mill, agora como chefe de polícia. Suas raízes amish e sua experiência como policial na cidade grande fizeram dela uma candidata perfeita. Kate está certa de ter superado seu passado... Até que o primeiro corpo é encontrado no meio da neve. Kate jura deter o assassino antes que ele ataque novamente. Mas, para isso, ela terá que trair sua família e seu passado amish – expondo um segredo sombrio que pode arruiná-la.
Voto de Silêncio
Voto de Silêncio
Kate Burkholder - Livro 01
Linda Castillo
Ano: 2012
Páginas: 368
Editora: Novo Século
Oie pessoal, tudo bem?

Este livro foi uma agradável surpresa. Não tinha lido nenhuma resenha do mesmo, o que despertou o meu interesse foi a sinopse, então o adquiri através de uma troca no skoob.

Kate Burkholder é uma ex-amish, mas o que seria um amish?

“Amish é um grupo religioso cristão anabatista baseado nos Estados Unidos e Canadá. São conhecidos por seus costumes conservadores, como o uso restrito de equipamentos eletrônicos, inclusive telefones e automóveis.”

  
 
Quis colocar a definição do grupo, pois nem todos conhecem este grupo religioso. Particularmente conhecia um pouco, mas não sei se existe alguma ramificação no Brasil. 
Voltando para o livro. Kate foi criada nesses padrões rígidos, mas após um evento traumático, resolveu afastar-se e viver os costumes seculares dos ingleses.
Como sua família não abandonou suas crenças, Kate é vista como uma rebelde e o contato é rompido, passando assim a viver longe de todos. Após começar a carreira policial, surge a oportunidade de voltar para Painters Mill como chefe de polícia. Kate luta para conquistar seu lugar como profissional e quebrar o preconceito que existe em torno do seu passado amish.

De forma bem incomum um corpo feminino é encontrado e com ele as lembranças do “Assassino do Matadouro”, crimes que ocorreram na cidade enquanto Kate era adolescente.

Durante a investigação, todos os envolvidos creem que o assassino voltou, visto que o mesmo deixa uma marca bem característica em suas vítimas, mas somente Kate não acredita que seja o mesmo autor dos crimes. Como Kate irá provar sua tese sem expor o grande mistério de sua vida? E se for o mesmo criminoso, qual a razão de ter passado tanto tempo em inatividade?

Gente, este foi um dos melhores livros que li este ano! Um thriller de tirar o fôlego!! A autora consegue prender a atenção do leitor em cada página, não só pelo suspense dos crimes e sim, por toda a constituição do enredo e personagens.

A luta íntima de Kate, entre seus valores de infância e a nova vida que tenta criar a cada dia é de uma carga dramática intensa e plausível, fazendo com que o leitor sinta a sua dor, dúvidas e anseios.

As cenas dos crimes são fortes e detalhadas, fiquei bem impressionada. Para quem tem o estômago fraco é melhor pular algumas linhas...

Após a leitura descobri que a autora fez uma série com a detetive Kate Burkholder, mas para o bem dos leitores cada livro é único, ou seja, temos começo, meio e fim, ufa! Evito séries por não ter paciência para esperar as publicações das editoras, mas isso é papo para outro momento.

Se você quer ler uma trama policial, bem criada e com os elementos todos bem ajustados, Voto de Silêncio é uma opção certa.
 
Livro sorteado para o TBR Book Jar do mês de junho.


Leia Mais ► ► ►

[Cositas] Vamos falar das leituras recentes?


Oie pessoal, todos bem?

Querem saber quais foram as leituras da última semana?
Leia Mais ► ► ►

Li no Kindle #36 "Morte na Mesopotâmia"

Para a enfermeira Amy Leatheran, sua paciente era um caso muito estranho. Louise, casada com um famoso arqueólogo, sofria de angústia nervosa, segundo seu marido. Suas fantasias eram vívidas e macabras: uma mão decepada, um rosto cadavérico contra a vidraça... Mas de que ou de quem ela teria tanto medo? Perto do marido e de velhos colegas e amigos, ela estaria a salvo. Entretanto, a formalidade do grupo não parecia natural: pairava no ar uma tensão, um certo desassossego. Algo muito sinistro estava acontecendo. E tinha a ver com... assassinato. Mrs. Leidner é assassinada. Fora algo muito estranho pois ninguém vira pessoas circularem no pátio do local que dava acesso a cena do crime. Quem teria feito tal monstruosidade? Só uma pessoa poderia responder: Hercule Poirot.


Morte na Mesopotâmia



Morte na Mesopotâmia
Agatha Christie
Ano: 1987
Páginas: 220
Editora: Record (Coleção Agatha Christie)







Oie pessoal, tudo bem?

Vocês sabem que o meu projeto TBR Book Jar são dois livros por mês, um físico e outro e-book. E para o mês de agosto o e-book sorteado foi “Morte na Mesopotâmia” de Agatha Christie.

Ao contrário dos outros livros que li da autora, o narrador é alguém fora do contexto: uma enfermeira. A mesma é contratada pelo chefe da expedição arqueológica, Leidner, para cuidar de sua esposa que sofre de “crises nervosas”.

Assim que chega Amy sente uma atmosfera diferente no ar. Como se algo estivesse para acontecer... mas o quê e quando?

Como na maioria dos livros da autora, somos apresentados a uma avalanche de personagens logo nas primeiras páginas. E como sempre, todos importantes para o desenrolar da trama.

O que todos achavam ser fantasias da esposa do arqueólogo, se mostrou real e a mesma foi assassinada. Sendo necessário expor para todos os membros da expedição e da policia, as cartas que a defunta recebeu do primeiro marido, que julgava ter sido morto, mas conseguiu escapar.

Criou-se então um grande mistério. Quem cometeu o crime foi o ex marido ou alguém da expedição? O ex marido ou seu irmão está entre um dos membros da expedição? Afinal já tinham se passado 15 anos e a falecida poderia muito bem não tê-los reconhecidos.

Diante de tal mistério, a polícia local pediu ajuda a Poirot, que estava pelas redondezas, que coincidência não? Rsrs

Poirot com todo o seu jeito peculiar de investigar, mexeu com os ânimos de todos. Afinal, o detetive belga não possui papas na língua e quando entra em uma investigação faz das mais mirabolantes perguntas.

O livro é pequeno, são 220 páginas. Mas que por vezes, torna-se arrastado por ser uma personagem não técnica a narrá-lo. É uma trama que faz o leitor pensar em várias possibilidades e consegui acertar 2, estou melhorando, uhulll, rsrs.

Não é o melhor da autora, mas é um bom livro. Um suspense interessante, mas sem aquele dinâmica que espera-se de uma trama policial.  

Como o tema do Desafio Literário 2015 para agosto foi suspense, resolvi encaixá-lo para diminuir a fila dos livros para os desafios, rsrs.




Leia Mais ► ► ►

Pra começar a semana bem...



Leia Mais ► ► ►

Resumo Julho/15



Olá galerinha, tudo bem?

Vamos conhecer as leituras do mês de julho?
Leia Mais ► ► ►

Resenha #51 "O Voo da Libélula" (@editoraarqueiro)

Agraciado com 4 prêmios na França, entre os quais o Prix Maison de la Presse e o Prix du Roman Populaire, O voo da libélula teve seus direitos vendidos para 25 países e ganhará uma adaptação cinematográfica.
Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.
Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.
Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.
Após ler o diário, Lylie fica transtornada e desaparece, deixando o caderno com seu irmão, que precisará usar toda a sua inteligência para resolver um mistério cheio de camadas e reviravoltas.
Em O voo da libélula, o leitor é guiado pela escrita do detetive enquanto acompanha a angustiada busca de uma garota por sua identidade.


O Voo da Libélula




O Voo da Libélula
Michel Bussi
Ano: 2015
Páginas: 400
Editora: Arqueiro







Oi pessoal, tudo bem?

Quando a Editora Arqueiro lançou este livro, fiquei super curiosa, já que romance policial é um estilo que muito me agrada. E como não ficar instigada ao ler a sinopse?

A narrativa começa lenta, pois o leitor têm que ler 18 anos de investigação criminal, condensada em apenas 100 páginas no diário do detetive Crédule Gran Duc. Isso mesmo o detetive foi batizado com um nome que significa ingênuo, no mínimo estranho para uma pessoa que trabalha fazendo investigações e não pode ser enganada facilmente, não é mesmo? Mas esse é um artifício usado pelo autor, batizar os protagonistas com nomes inusitados, vamos assim dizer. Explico melhor mais adiante.

Não vou fazer um resumo da trama, pois a sinopse já desempenhou este papel. No desenrolar do enredo temos vários assuntos abordados: família rica versus família pobre, incesto, corrupção, uso de drogas e etc. A investigação sobre a filiação da sobrevivente, por vezes, torna-se pano de fundo.

O autor conseguiu me “fisgar” desde as primeiras linhas e isso já não acontecia há tempos! A sua narrativa é propositalmente feita para desempenhar este papel: segurar o leitor página após página. Pois, a cada capítulo o mesmo ‘solta’ uma pista, um fato novo ou simplesmente desconstrói toda a trama que o leitor criou, como quem puxa um fio de um novelo de lã.

Isso mesmo, o leitor passa as páginas entre qual criança foi a sobrevivente do acidente de 23 de dezembro de 1980: Lyse Rose ou Émilie? Fica-se em uma gangorra, hora pendendo para a direita e no instante seguinte para o lado oposto.

Falando um pouco das personagens, a libélula, a criança sobrevivente, assim apelidada por uma jornalista na época do acidente, devido a uma canção famosa, ou Lylie, como a polícia resolveu chamá-la, ao fundir os dois nomes, pouco aparece. Incrível não? Senti falta que a personalidade da mesma ser esmiuçada, como ocorre com as outras personagens.

Marc o irmão de Lylie, não me convenceu muito. Vive em conflito com seus sentimentos, mas o romance não colou, pareceu-me forçado. Malvina, olha aí o autor brincando com os nomes novamente, é a irmã mais velha de Lyse Rose. A coitada ficou com sérios problemas mentais devido a super exposição que sofreu após a queda do avião, tudo por conta da ambição do seu avô paterno. Ainda têm-se no elenco as avós paternas, que possuem papel de destaque na trama e Nazim o amigo do detetive. Claro que não poderia deixar de comentar sobre ele, o cérebro atrás de toda a investigação: Crédulo Gran Duc. Em certos momentos vilão, em outros mocinho. Dotado de grande inteligência, assim como de crueldade também.

A diagramação está boa, páginas amareladas e a capa contém os elementos principais da obra: o monte, que foi o local que aconteceu a queda do avião e a libélula que é a metáfora usada para falar da sobrevivente.

Pensei em algumas hipóteses e consegui desvendar uma parte do mistério. Estou melhorando heim! Também, depois de ler alguns livros da Ágatha tenho que melhorar meu faro policial de qualquer jeito, kkkkkkk. Mas assim como Hércule Poirot, Michel Bussi tinha um ás na manga e para saber qual era e desvendar o mistério do Mont Terrible, você precisa ler O Voo da Libélula.




Leia Mais ► ► ►

[Atualização] TBR Book Jar 2015

Oie galerinha!

Querem saber como anda o meu Projeto TBR Book Jar?
Leia Mais ► ► ►

[Cositas] Vamos falar das leituras recentes?


Oie pessoal, todos bem?

Agosto foi completamente parado, já que estava nos preparativos do aniversário da minha bebê, que aliás, foi tudo bem, graças ao Pai! Obrigada pela torcida de vocês, =D
Leia Mais ► ► ►

Li no Kindle #35 "Cadê Você, Bernadette?" (@cialetras)

Bernadette Fox é notável. Aos olhos de seu marido, guru tecnológico da Microsoft e rock star do mundo nerd, ela se torna mais maníaca a cada dia; para as demais mães da Galer Street, escola liberal frequentada pela elite de Seattle, ela só causa desgosto; os especialistas em design ainda a consideram uma gênia da arquitetura sustentável, e Bee, sua filha de quinze anos, acha que tem a melhor mãe do mundo.
Até que Bernadette desaparece do mapa. Tudo começa quando Bee mostra seu boletim (impecável) e reivindica a prometida recompensa: uma viagem de família à Antártida. Mas Bernadette tem tal ojeriza a Seattle - e às pessoas em geral - que evita ao máximo sair de casa, e contratou uma assistente virtual na Índia para realizar suas tarefas mais básicas. Uma viagem ao extremo sul do planeta é uma perspectiva um tanto problemática.
Para encontrar sua mãe, Bee compila e-mails, documentos oficiais e correspondências secretas, buscando entender quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem e o motivo de seu desaparecimento. Maria Semple revela, em seu segundo romance, a influência de grandes escritores contemporâneos como Jonathan Franzen e Jeffrey Eugenides, ao mesmo tempo que se afirma como uma voz original, marcada pelo melhor humor das séries de TV norte-americanas. Sem sentimentalismos, mas com muita empatia, Cadê você, Bernadette? trata do amor incondicional de uma filha por sua mãe imperfeita.

Cadê Você,  Bernadette?


Cadê Você, Bernadette?
Maria Semple
Ano: 2013
Páginas: 376
Editora: Companhia das Letras




Oie pessoal, tudo bem?

Hoje trago para vocês uma leitura bem diferente de tudo que já li até o momento, pelo menos deste ano. Lembro que li por aí, sou péssima para guardar os blogs que leio as resenhas, sorry... então, voltando ao assunto, li uma resenha positiva e tal, a blogueira comentou que era super divertido, resolvi dar uma chance e o coloquei na lista do sorteio dos e-books para a TBR, pois bem, o bendito foi sorteado para o mês de julho. Curiosos para saber o resultado?

Primeiramente temos uma protagonista pra lá de diferente, uma antissocial completa!! Pense que Bernadette chegou ao cumulo de contratar uma assistente virtual na índia, para lhe ajudar em todas as tarefas. Isso mesmo assistente VIRTUAL! Ela nunca tinha visto a pessoa pessoalmente, como pode isto?!

Além desta bizarrice, Bernadette fazia o mínimo dos mínimos. Tudo que queria, seja compras, até marcar consultas ela informava por e-mail à Manjula, a famosa assistente virtual.

Mas Bernadette nem sempre foi assim. Na sua juventude, em Los Angeles, foi uma arquiteta com um potencial fora do normal, chegando a ganhar a bolsa McArtur na categoria gênio, devido à execução de um projeto denominado A Casa de Vinte Milhas. Casou-se com Elgin Branch um profissional notável dentro da Microsoft e sonhava em ser mãe.

O sonho se tornou realidade após a ida do casal para Seattle, de forma misteriosa diga-se de passagem. Algo que só é explicado mais adiante ao leitor. Mas a criança nasceu com uma doença no coração e foi batizada de Bee. A partir do momento que sua filha teve alta, Bernadette não quis saber de mais nada, apenas passou a viver para ela.

Mas, o que poderia ser uma vida normal familiar, tornou-se algo extremamente excêntrico. Pois Bernadette virou uma pessoa sem nenhum tato social e senso de vida em comunidade. Adotou um ódio irracional pela cidade de Seattle e por consequência, por seus habitantes também. Não fazia o menor esforço para se relacionar com as outras mães do colégio que a filha estudava e era vista pelas mesmas como inimiga.

Já Bee era, ao contrário da mãe, muito simpática. E conseguiu que a mãe fizesse a promessa de viajar em família para a Antártida. Agora imagina uma pessoa que não falava com a vizinha do lado, poderia fazer uma viagem desse porte?

Quanto tudo estava “pronto” para a tal viagem, Bernadette simplesmente sumiu! Nada, nem ninguém sabia o paradeiro dela, mas sua filha Bee não aceita nenhuma das hipóteses levantadas e tentar desvendar ao fundo este mistério e não para de perguntar-se: Cadê você, Bernadette??

O livro é narrado de forma epistolar, através dos e-mails, cartas e bilhetes trocados entre vários personagens. A princípio o leitor pode ficar um pouco confuso, devido a troca de e-mails, mas é só dar uma chance ao livro, que as peças vão se encaixando uma após a outra.

Apesar de todo esse cenário beirando o caos, o enredo provoca reflexões no leitor. Não consegui deslumbrar as passagens hilárias, mas existe uma certa dosagem de humor. Sendo que ao meu ver, o foco do livro não é esse.

Acredito que a autora quis enfatizar nas relações humanas: homem e mulher, pais e filhos, vizinhos, colegas de trabalho e etc. O quanto podem ser complexas, mas que por mais que assim sejam, precisamos delas e estamos inseridos em um contexto maior e não dar para fugir do mesmo, mas tentar vivenciá-lo da maneira mais agradável e saudável possível.

É um livro para ser lido sem preconcepções, esqueça todos os comentários, até os meus, e mergulhe nas páginas de "Cadê você, Bernadette?" e faça a sua própria análise. 

 




Leia Mais ► ► ►

Pra começar a semana bem...



Leia Mais ► ► ►

Resumo Junho/15






Olá galerinha, tudo bem?

Vamos conhecer as leituras do mês de junho?
Leia Mais ► ► ►

[Saindo do Forno] Divulgação Editora Sextante(@sextante)



Oie pessoal!

Confiram os lançamentos da Editora Sextante.

Leia Mais ► ► ►

[Saindo do Forno] Divulgação Editora Arqueiro(@editoraarqueiro)



Oie pessoal!

Vamos conferir as novidades da Editora Arqueiro?






Leia Mais ► ► ►

Pra começar a semana bem...


Leia Mais ► ► ►

Promoção "Eu Leio Nacionais"




Oie galerinha, todos bem?

Para comemorar o Dia da Independência que tal uma Promo??
Leia Mais ► ► ►

Resultado Promoção "Desvende os Manuscritos do Mar Morto"


Olá galera!

Animados para conhecer o (a) sortudo (a) que ganhou a promoção "Desvende os Manuscritos do Mar Morto"???


Leia Mais ► ► ►

Programação Bienal (várias editoras)




Oie pessoal, todos bem?


A maioria das editoras divulgaram as suas programações em suas redes sociais, consegui alguns links e resolvi postar para vocês. Mas não deixem de conferir as fanpages das mesmas, ok?
Leia Mais ► ► ►

Programação Bienal @editoraarqueiro







Oie galerinha!

Vamos conhecer a programação geral da nossa querida parceira Editora Arqueiro?
Leia Mais ► ► ►

XVII Bienal do Livro - Rj

 

Oie galerinha!

Qual é o evento mais esperado por nós leitores?? Claro que é a Bienal, seja em qualquer estado do país, rs.

Uma das maiores e melhores é a Bienal do Rj e como sempre, este ano não poderia ser por menos.
Leia Mais ► ► ►

Eu voltei...


Oie, olha eu aqui!!!
Leia Mais ► ► ►
© Cantinho da Gladys - 2012. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Zuky.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo